quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

Alguns procedimentos de Finanças

Olá pessoal!

Separei alguns procedimentos de FI, bem simples, mas que as vezes nos pegam despercebidos:

Aprovar ajuste com data GL em período fechado

Quando vamos aprovar algum ajuste e aparece a tela abaixo, é porque o período está fechado?


Sim, para aprovarmos alteramos o campo nessa mesma tela que chama data_gl. É alterar para a data vigente e aprovar.


Ajustes criados em período anterior não estão contabilizados ainda, serão contabilizados após aprovação, e a data contábil deve ser do mês atual.





NF já paga com valor negativo

Cliente pagou, usuário efetuou o recebimento, porém a NF aparece com valor negativo, e um aviso de crédito criado pelo sistema. O que fazer?

Solução: Consultei a NF, em Ferramentas -> Parcelas -> Atividades, e pude verificar que foi criado pelo sistema um aviso de crédito tipo RMA, ou seja: a NF foi devolvida, por isso o sistema gerou o aviso de crédito.
Solução: Reverti o recebimento criado.

As vezes existem ajustes pendentes e que ainda não foram aprovados, a NF fica em aberto, alguém resolve aplicar um recebimento e acontece o mesmo problema. A solução seria reverter o procedimento incorreto, seja ele o ajuste ou recebimento.

Reverter ajuste criado errado

Criar um ajuste de mesmo valor, porém com sinal inverso e aplicá-lo a transação.

Alterar ajustes no AR

A) Alteração:
AR SUPER USUÁRIO

SETUP
TRANSAÇÕES
APPROVAL LIMITS
F11
LOGIN DO USUÁRIO + (CRTL+F11) -> Proceder conforme solicitação, alterando nos campos DE e ATÉ e salve.

B) Exclusão:
AR SUPER USUÁRIO
SETUP
TRANSAÇÕES
APPROVAL LIMITS
F11
LOGIN DO USUÁRIO + (CRTL+F11) -> Selecione a linha e vá até o ícone excluir e salve.

C) Inclusão:
AR SUPER USUÁRIO
SETUP
TRANSAÇÕES
APPROVAL LIMITS
Clicar nos "três pontinhos", inserir o login de usuário e incluir os ajustes conforme tópico alteração e salve.

Qualquer, é só me enviar e-mail.

Até mais!

segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

Oracle amplia recursos de gerenciamento

PRESS RELEASE

Oracle amplia recursos de gerenciamento da configuração no Oracle® Enterprise Manager

Novo console de alteração da configuração aprimora a detecção de mudanças em tempo real, além de possibilitar a geração de relatórios e a automação da conformidade de TI


Redwood Shores, Califórnia (EUA), dezembro de 2008


Notícias

· Com o objetivo de ampliar sua capacidade de gerenciar configurações e automatizar processos de TI, a Oracle anunciou aprimoramentos em seu Oracle® Configuration Management Pack, um componente importante do Oracle Enterprise Manager.

· Com este lançamento, o Oracle Configuration Management Pack – disponível para o banco de dados Oracle, Oracle Middleware e sistemas não-Oracle – acrescenta detecção, validação e geração de relatórios completos, contínuos e, em tempo real, das alterações autorizadas e não-autorizadas na configuração tanto em ambientes Oracle como em plataformas não-Oracle.

· Esses recursos, fornecidos por meio do novo Configuration Change Console, permitem aos clientes gerenciar mudanças nos ambientes de TI de forma mais eficiente, reduzindo custos e ajudando a melhorar os níveis de serviços, além de cumprir objetivos de compliance.

Complemento dos recursos do gerenciamento descendente de aplicativos

· O Oracle Configuration Management Pack aprimora a exclusiva abordagem descendente do Oracle Enterprise Manager para o gerenciamento de aplicativos, fornecendo uma solução pronta e completa para o gerenciamento da configuração. Por meio de detecção proativa de alterações e das políticas de configuração para todo o ambiente de aplicativos, o Oracle Enterprise Manager proporciona uma perspectiva mais rica da integridade dos aplicativos de negócio.

· Dentre os destaques do Oracle Configuration Management Pack com o novo Configuration Change Console estão:

· detecção de alterações na configuração em tempo real em toda a empresa – permite aos clientes detectar e monitorar alterações na configuração em uma grande variedade de componentes de TI, como servidores, bancos de dados, middleware, aplicativos e dispositivos individuais de ponto de venda;

· políticas e estrutura prontas para compliance da configuração – facilitam a capacidade do cliente de definir e implementar controles de acordo com padrões regulamentares e do mercado, bem como as melhores práticas como Sarbanes-Oxley, PCI e ITIL;

· descoberta e rastreamento de ativos – permite a coleta automática de informações sobre a configuração em tempo real, acessíveis de um console central, fornecendo uma visão abrangente de todos os componentes heterogêneos no datacenter;

· análise e geração de relatórios – fornece uma visão consolidada de todas as alterações e um rico conjunto de relatórios-padrão e específicos, bem como recursos de pesquisa que permitem aos administradores visualizar todos os aspectos dessas configurações em toda a empresa;

· integração a sistemas conhecidos de gerenciamento de alterações – permite aos clientes aproveitar seus investimentos existentes no uso de sistemas conhecidos de gerenciamento de alterações, como o BMC Remedy IT Service Management. Fornece ainda reconciliação de ciclo fechado em solicitações de alteração, que identificam as alterações autorizadas e não-autorizadas;

· solução aberta e extensível – ajuda os clientes a reduzir drasticamente o tempo e o custo do gerenciamento da conformidade da configuração em ambientes heterogêneos, utilizando a estrutura de capacidade de extensão do Oracle Enterprise Manager, recursos prontos, políticas e grupos definidos pelo usuário para a automação de scripts manuais, relatórios e processos.

quinta-feira, 27 de novembro de 2008

Oracle anuncia nova suíte de middleware orientada por eventos

Oracle, The World's Largest Enterprise Software Company PRESS RELEASE

Oracle anuncia nova suíte de middleware orientada por eventos

Solução aprimorada resulta da rápida unificação de tecnologia BEA com o Oracle® Fusion Middleware, além de apresentar recursos para processamento de eventos complexos

Redwood Shores (EUA), Califórnia, novembro de 2008

Notícias

· As empresas precisam responder rapidamente às condições do mercado em constante mudança. Para atender a essa necessidade, a Oracle acaba de anunciar uma nova versão do Oracle® Event Driven Architecture Suite (Oracle EDA Suite), componente do Oracle Fusion Middleware.

· A nova versão apresenta o Oracle Complex Event Processing 10g Release 3 (Oracle CEP 10g R3), antigo BEA WebLogic Event Server, uma plataforma completa e abrangente para processamento de eventos, que inclui um servidor de aplicação Java baseado na tecnologia OSGI, com a qual as empresas podem detectar, filtrar, analisar e correlacionar eventos de negócios distintos. Tudo isso incluindo, ainda, negociação de ações, inserção de pedidos e solicitação de serviços – para tomar decisões em tempo real.

· O Oracle CEP 10g R3 fornece um ambiente rico e de fácil utilização para o desenvolvimento de aplicativos de processamento de eventos, melhorando as operações de negócios. O software pode processar vários fluxos de eventos em tempo real, para detectar padrões e tendências.

· Dentre as melhorias apresentadas na nova versão do Oracle EDA Suite e do Oracle CEP estão cachê de eventos local e distribuído, incluindo forte integração aos serviços de cachê de dados distribuído do Oracle Coherence; gravação e reprodução de eventos; console de administração para visualização; recursos de cluster e ampliação das ferramentas de desenvolvimento Java.

· O Oracle EDA Suite 10g Release 3 é a mais recente de uma série de ofertas que integram tecnologia da Oracle e da BEA Systems, o que demonstra o rápido progresso da Oracle na unificação do software de ambas as empresas.

terça-feira, 25 de novembro de 2008

Oracle OpenWorld Latin America






Não perca o Oracle OpenWorld Latin America

Marque na sua agenda! As inscrições começam em breve. Aguarde para receber mais informações, ou visite o nosso site para acompanhar todas as novidades: oracle.com/goto/openworld-la

  • Conheça as últimas Tecnologias e Aplicativos Oracle
  • Interaja com profissionais de toda America Latina
  • Converse com as pessoas que desenvolvem o software que você usa todos os dias

Oracle OpenWorld LAD é uma excelente oportunidade para nos atualizarmos e termos ingresso às mais inovadoras tecnologias de infra-estrutura de TI, assim como dos aplicativos providos pela Oracle. É um espaço que deve ser priorizado em nossas agendas e de nossa equipe, porque traz benefícios, como o acesso a melhores práticas, o conhecimento de novos produtos e soluções e o compartilhamento de experiência com outros clientes e especialistas da empresa, entre outros.”

— Katia Sanfins, Gerente de Tecnologia da Informação, Schahin Engenharia

THE INFORMATION COMPANY

quarta-feira, 12 de novembro de 2008

Instâncias de OEBS R11i e R12 pela web

Olá pessoal!

Recebi por e-mail hoje essa valiosa dica sobre as instâncias de OEBS R11i e R12 pela web, lá vai:

Para os amigos consultores que sonham em ter uma instância de OEBS R11i ou R12 a sua disposição para acessar de qualquer local, e tirar aquela dúvida funcional que aparece nos momentos mais inesperados, a empresa Solution Beacon disponibiliza instâncias de visualização pela web, sem custo nenhum.

Para acessar:

  1. Vá até a página da Solution Beacon: http://www.solutionbeacon.com/index.htm
  2. No menu selecione as opções: “Toolkit > R11i/12 Vision Instances
  3. Escolha “Release 11i Vision Instances“ ou “Release 12 Vision Instances
  4. Para o release R11i por exemplo, clique sobre a opção: “Release 11.5.10.2 (a510vis5)
  5. Na parte inferior da página de login, clique sobre o link: “New User Registration
  6. Informe primeiro e último nome, endereço de email (pode ser o pessoal) e um “Oracle CSI”. O login e senha serão enviados para o email informado.
  7. Retorne a tela de login: http://vis11510ext5.solutionbeacon.net/OA_HTML/AppsLocalLogin.jsp e entre com o login e senha enviados para o email.

Divirta-se com suas novas instâncias de OEBS!

quinta-feira, 6 de novembro de 2008

Configurando o Billing


Olá pessoal!

Considero o Billing, umas das configurações mais detalhadas que temos no Oracle. Então resolvi publicar a ordem de configuração do setup e alguns procedimentos para criação de regras de impostos.

Qualquer dúvida, entrem em contato!

Obs.: As imagens aparecem completas ao clicarmos.

Setup

1 Criar Responsabilidades
2 Setar Profiles
3 Definir Lookups
4 Criar Flexfield de Território
5 Organização de Inventario
6 Definir Locais de Inventário
7 Opções de Sistemas do AR – System Options
8 Definir Contabilidade Automática – Auto Accounting
9 Locais – Cadastro de pais, estado e cidades
10 Parâmetros do OM
11 Endereços de Remessa – Remit-to Address
12 Pais
13 Cadastro de CFOPs
14 Categorias de Impostos
15 Condições e Valores
16 Classes e Condições
17 Códigos e Alíquotas de Impostos
18 Grupo de Impostos
19 Locais de Impostos – De/Para
20 Tipos de Transações
21 Regras de Impostos
22 Classificações Fiscais
23 Exceções – Por Classificações Fiscais
24 Exceções – Por Itens
25 Cadastro de Mensagens Padrões
26 Associar Mensagens legais
27 Origens de Notas
28 Condições de Pagamento
29 Linhas Padrões – Memo Lines
30 Limites de Aprovações
31 Formatador de Programas
32 Definir Bancos
33 Contas Bancarias
34 Atividade do Contas a Receber
35 Origens de Recebimento
36 Classes de Recebimentos
37 Métodos de Recebimentos
38 Códigos de Instruções Bancarias
39 Códigos de Ocorrências Bancarias
40 Contas do Método do Recebimento
41 Regras de Ordenação do Autoinvoice
42 Regras de Agrupamento do Autoinvoice
43 Abrir Períodos
44 Períodos de Aging
45 Definir Classes de Perfil de Cliente
46 Entrar Clientes
47 Definir Itens
48 Definir Vendedores
49 Definir Transportadoras

Grupos de Impostos





No grupo de impostos podemos agrupar em uma unica categoria todos os grupos que deverão ser utilizados em uma determinada transação.

Para acessarmos o cadastro do grupo de impostos basta seguir os passos abaixo, igual a ilustração acima:

Acessar o grupo de impostos:

Localizations > Localização Brasileira > Configurar > Impostos > Grupos





Ao abrir a opção de Grupos de impostos aparecerá a tela acima, e a partir desta tela teremos duas opções a primeira é para consultar os grupos ja criados para fazer alguma alteração.

Para consultar os grupos de impostos criados basta pressionar as teclas Crtl + F11 e aparecerá a lista dos grupos ja criados.

A outra opção é a de cadastro na qual iremos detalhar a seguir.

Grupo de Impostos: Neste campo deveremos informar o nome que irá aparecer na hora de selecionarmos o grupo de impostos a ser utilizado nas transações. Este campo tem uma limitação de 50 caracteres.

Descrição: Neste campo deveremos informar a descrição deste grupo que esta sendo criado. Este Campo é limitado em 60 caracteres.



Após informar o nome e a descrição do grupo de impostos, iremos informar os detalhes do grupo de impostos, que seria quais serão os impostos que serão calculados neste grupo.

OBS: Sempre que em algum campo aparecer a opção “...” significa que existe uma lista de valores, para acessa-la basta clicar em cima dos três pontinhos ou pressionar simultaneamente as teclas Crtl + L do teclado

Categoria de Impostos: Neste campo deveremos seleciona através da lista de valores o imposto que deverá ser inserido no grupo de impostos atual. Na lista de valores conta dois tipos de impostos para cada categoria, conforme mostra a proxima figura, os impostos que tem o final igual a _C significa que é um imposto de crédito e com a terminação igual a _D significa que é um imposto de crédito.



Ao incluirmos uma categoria de impostos devemos incluir a categoria de crédito e débito, caso não queira que o valor do imposto interfira no valor total da Nota.

Valor do Contribuinte: Neste campo deveremos informar qual o tipo de contribuinte fará parte deste grupo, este contribuinte será verificado direto no cadastro do cliente, se este cliente é Contribuinte ou Não contribuinte, a seleção do tipo de contribuinte também será através de Lista de Valores.

Valor da Organização: Neste campo deveremos informar o tipo de organização ou segmento da companhia, na lista de valores aparecerá a opção.

Valor da Transação: Neste campo informaremos o segmento que será emitido a Nota Fiscal, Comercialização ou Serviços.





Efetivo de / Efetivo Até: neste campo deveremos informar a partir de quando esta categoria deverá entrar em vigor e quando ele não será mais utilizado.

OBS: Sempre que for alterar algum imposto, ou aliquota, basta inserir uma Efetivo Até com a data de inativação da categoria e criar outra a partir do dia seguinte da inativação do mesmo.




Código do Imposto: Para algumas categorias de impostos poderemos inserir o código com a aliquota de imposto que será calculada, por exemplo o Cofins de 7.6, basta selecionarmos através da lista de valores e o sistema irá preencher automaticamente a Descrição do Imposto e a Alíquota de Imposto.

Para as categorias de imposto Cofins, Pis, IRRF, ISS e em alguns casos o IPI informaremos o código do Imposto.


Substituição Tributária: Caso algum imposto tiver Substituição tributária, basta selecionar esta opção.




Categoria de Imposto para Base de Composição: Nesta opção informaremos qual será a categoria de imposto que será utilizada para fazer parte do calculo da categoria em questão.

Devemos sempre que for adicionar o valor de uma categoria utilizar a categoria com o final _C, pois caso contrário o calculo seria deduzindo o imposto selecionado.


Exemplo: Uma nota de 1.000,00 que será feito o calculo de 10% de ICMS com 5% de IPI na Base, se inserirmos o IPI_C a base de calculo para o ICMS seria 1.000,00 + 50,00. Caso inserissemos na base de Composição o IPI_D a base para de calculo para o ICMS seria 1.000,00 – 50,00.




Quantia Mínima: Nesta opção, deveremos informar um valor minimo ...

Base Mínima Tributável: Nesta opção deveremos informar um valor minimo para que seja incluido a base de calculo do imposto em questão:

% Mínimo: Nesta opção como a anterior podemos informar o % minimo a ser calculado para a base tributavel ao invés do valor.

Imposto Incluido: Marque a caixa de seleção Imposto Incluído, se deseja que o imposto para uma categoria de imposto seja incluído no preço no nível de linha de NFF

Calcular em OM: Marque esta opção para todos os impostos de Crédito para que seja calculado no OM, o calculo de débito será calculado posteriormente no AR.


Regras de Impostos



Use a janela Regras de Imposto para definir uma ou mais regras de imposto para cada combinação de categoria de imposto, valor da condição do contribuinte e tipo de transação. O Submódulo de Impostos utiliza estas regras para determinar a taxa de imposto ou o modificador de taxa da base a ser aplicado a uma transação, estas regras devem ser criadas para cada tipo de transação criada em Transaction Type.

Para acessar o cadastro de regras basta seguir o caminho abaixo:

Localizations > Localização Brasileira > Configurar > Impostos > Regras




Ao Acessar a tela de Regras, irá mostrar a tela acima, nesta tela poderemos consultar se a regra a ser criada ja existe ou não antes de iniciarmos um novo cadastro, para fazer alguma manutenção ou alteração nas regras ja criadas basta seguir os passos seguintes:

Ao abrir a janela Regras de Impostos, basta informar alguns parametros para localizar uma regra ja criada.

  • Nivel Regra Imposto: No nivel iremos informar casonecessário se a regra a ser localizada especificamente a linha é referente a um calculo de Imposto ou uma base de calculo de imposto. (opcional)

  • Regra: Em Regra o sistema irá trazer uma relação de todas as regras utilizadas para criar uma sequencia de regra, caso queira selecionar uma regra especifica, basta informar o tipo da regra nesta opção. (opcional)

  • Desc: irá aparecer a descrição da regra selecionada

  • Categoria Imposto: Em categoria imposto, podemos escolher um imposto especifico a ser localizado, ICMS, PIS, etc. (opcional)

  • Valor Contribuinte: Este é um campo obrigatório a ser preenchido para localizar uma regra, seria

    • o valor do contribuinte, se ele é um contribuinte ou Não contribuinte.

    • Tipo da Transação: Este também é um campo obrigatório onde deveremos escolher o tipo de transação a ser localizada.

    • Prioridade: Em prioridade poderemos escolher através da numeração das prioridades ja cadastradas. (opcional)

    OBS: Para realizar uma busca de regras poderemos utilizar somente os campos Valor do Contribuinte e Tipo de Transação, pra trazer todas as regras, os campos opcionais irão filtrar mais as buscas.

    Após informar os valores a ser localizados, basta clicar em Localizar: Conforme mostrado na figura abaixo:



Quando não existir ua regra ao clicar em localizar o sistema continuará na mesma tela de busca, para cadastrar uma nova regra basta clicar no botão Novo:




Ao clicar no botão Novo o sistema irá abri a janela para cadastro de novas regras, todas as regras a ser criada deve conter as mesmas categorias de impostos contidas no grupo de imposto e vinculada no tipo de transação, caso contrário o sistema apresentará um erro de imposto na criação de uma Nota fiscal no AR, OM ou sistemas integrados.




Na tela de cadastro de regras de impostos, teremos que preencher os seguintes campos:

  • Categoria: No campo categoria deveremos informoar o tipo de imposto que fará parte da regra a ser criada, estas informações deveremos selecionar através da lista de valores.

  • Valor: Em Valor, deveremos informar o tipo de contribuinte que fará parte da Regra, Contribinte ou Não contribuinte, estas informações deveremos selecionar através da lista de valores.

  • Tipo de Transação: Em tipo de transação deveremos informar a transação que fará parte da regra, selecionada através de uma lista de valores.

  • Nivel de Regra: Em nivel de regra deveremos informar se a linha da regra criada será um imposto a ser calculado diretamente do valo do produto, ou será uma Base de calculo de impostos que poderemos utilizar para incluir em outro imposto por exemplo o IPI.

  • Priorid: Em prioridade, deveremos informar numericamente a ordem em que o sistema irá executar as regras, no caso de ermos menos de 9 regras poderemos utilizar a numeração decimal, caso seja maior que 10 aconselha-se utilizar a numeração a parir do 10, para o sistema não se

    • perder nas regras, OBS: estas numeraçãoes serão sempre zeradas quando se tratar de um novo imposto, elas só valem para continuação de um mesmo imposto por exemplo ICMS_C .. 1 ICMS_C .. 2 etc.

    • Regra: Em regra, deveremos escolher o que esta linha deve fazer para realizar o calculo de impostos, deveremos escolher uma das regras da lista de valores conforme mostrado abaixo:

      • Cód. Imp. Categ. Imposto: Nesta opção o sistema irá realizar o calculo do imposto através da categoria de impostos.

      • Cód. Imp. Grupo Impostos: Nesta opção, o sistema irá buscar a aliquota para fazer o calculo do imposto do grupo de impostos.

      • Cód. Imp. Linha Aviso: Nesta opção o sistema irá procurar se eixte alguma aliquota de imposto nas linhas de aviso da Ordem ou Nota. (Não é muito utilizado)

      • Cód. Imp. Local Faturam.: Nesta opção o sistema irá localizar o local onde será enviado a fatura para o cliente e irá localizar se para aquele local existe alguma aliquota de imposto.

      • Cód. Imp. Local Or./Dest. Entr.: Nesta opção o sistema irá verificar se existe um código de imposto cadastrado para transações interestaduais, verificando o estado de origem e o de destino.

      • Cód. Imp. Opções Sistema: Nesta opção o sistema irá efetuar o calculo do imposto que foi anteriormente configurado em opções do sistema. Para o Brasil, esta opção não é utilizada, ois temos várias aliquotas de impostos diferentes.

      • Cód. Imposto Cliente: Nesta opção o sistema irá procurar alguma liquota de imposto que está atrelada ao cliente destino.

      • Código Imposto Item: Nesta opção o sistema irá procurar a aliquota de imposto que está cadastrada no código do Item.

      • Código Imposto Organiz.: Nesta opção o sistema fará um calculo de imposto unico por organização, também não é muito utilizada no Brasil.

      • Código da Classificação Fiscal: Nesta opção o sistema irá procurar a aliquota de imposto cadastrada no código de classificação fiscal do Item.

      • Código de Imposto da Programação de Imposto: Nesta opção o sistema irá realizar um calculo de imposto programado, mas não utilizaremos esta opção, pois no Brasil não existe esta opção de imposto.

      • Código de Imposto de Exceção do Cliente: Nesta opção o sistema irá procurar se para o cliente expecificado na venda existe alguma exceção e irá calcular com a aliquota contina nesta exeção.

      • Código de Imposto do Local para Entrega: Nesta opção o sistema irá calcular o imposto do estado de entrega da venda, este é o processo contrário da opçãoCód Imp. Local Faturam.

      • Exc. Lc. Or./Dest. Entr. Cód. Imp. Item: Nesta opção o sistema irá procurar se existe

        • alguma exceção para local de origem e destin através do código do item.

          • Exceção do Local de/para Entrega por Código de Imp. Classific. Fiscal: Nesta opção o sistema irá verificar se exite alguma exceção do local de origem destino por classificação fiscal do Item.

          • Exceção por Código de Imposto sobre valor da condição da Transação: Nesta opção o sistema irá verificar se existe alguma exceção cadastrada nas condições de valor da transação.

        Ao cadastrar uma linha da regra de impostos, o sistema irá montar um quadro logo abaixo, como mostra na figura informando os dados que estão sendo inseridas.



Após cadastrar todas as linhas da regra, basta clicar em Salvar:



quarta-feira, 5 de novembro de 2008

Oracle compra Haley

PRESS RELEASE

Oracle compra Haley

Aquisição permite à Oracle atender ao segmento de serviços sociais, com automação de políticas empresariais para setores legislados e regulamentados

Redwood Shores, Califórnia, (EUA) – novembro de 2008

Notícias

· A Oracle anunciou o acordo para aquisição da RuleBurst Holdings Limited, empresa controladora da Haley Limited, grande fornecedor de software para modelagem e automação de políticas, com o propósito de criar uma solução completa para órgãos de serviços sociais.

· Esses órgãos têm adotado software comercial para automatizar a concessão de direitos. Com recursos limitados para atender a um público crescente, essas entidades precisam administrar e distribuir a concessão de direitos de maneira uniforme e precisa, conforme estabelece a legislação em vigor. A plataforma da Haley para a automação de políticas converte a legislação e as políticas em regras definidas e automatizadas, que são implementadas em um aplicativo.

· Junto com os aplicativos de ERP da Oracle e Siebel CRM, a empresa pretende criar o primeiro pacote de software para órgãos de serviços sociais com um aplicativo aprimorado de gerenciamento de casos, utilizando o Haley para conduzir a determinação de elegibilidade.

· A plataforma de automação de políticas da Haley também é usada em outros setores altamente regulamentados, como o financeiro e o de seguros, para implementar e gerenciar políticas complexas que sofrem mudanças rapidamente, sem a necessidade de programação de software especializada.

· A diretoria e os funcionários da Haley deverão ser incorporados à Oracle para formar uma unidade de negócios global com foco em soluções empresariais de automação de políticas em vários setores. Dominic O’Hanlon, CEO da Haley, deverá chefiar a unidade de negócios como vice-presidente sênior e diretor-geral.

· A transação está sujeita a aprovações governamentais e dos acionistas, bem como às demais condições de praxe para finalização, devendo ser concluída no primeiro trimestre do ano-calendário de 2009. Até que o negócio se concretize, cada empresa continuará a operar independentemente. Os detalhes financeiros da transação não foram divulgados.

sexta-feira, 24 de outubro de 2008

Você sabe o que é BI?

BI - Business Intelligence

Todo consultor deve sempre estar ligado ao mundo que o cerca, pois não adianta saber resolver aquela tela de erro "Erro de gatilho: 15563" e saber que campo alterar para que a tela apresente outro resultado.

O interessante é saber também que existem ferramentas que ajudam o negócio, amplia sua visão global e faz crescer a receita!

Vocês já devem ter ouvido muito sobre BI. Hummmm, ok mas e agora?

Fiz uma pesquisa sobre o assunto, e até fiz um curso para poder entender e repassar.



Toda a montanha de dados provenientes de seus hábitos de compra, assim como de seus contatos com as empresas e de suas reclamações, não poderiam ficar sem um tratamento especial. Tudo hoje é meticulosamente armazenado em bases de dados de forma classificada e ordenada, para que quando necessário, as empresas possam lançar mão de indicadores precisos no apoio à tomada de decisões.

A MELHOR TOMADA DE DECISÃO

Com o registro de todas as informações de seus compradores, uma indústria de eletrodomésticos pode saber em segundos por exemplo, qual região da cidade deve ser o foco de uma campanha local de estímulo à vendas. Com softwares especiais, chega-se ao extremo de se poder ver graficamente na tela do computador com o toque de um botão do mouse, a concentração de uso de sua marca de geladeiras em uma determinada rua da cidade. São softwares que combinam dados de consumo com mapas e informações de natureza geográfica.


E não por acaso, facilmente você encontrará estranhas combinações de disposição de produtos nas prateleiras das maiores redes de supermercados. Cerveja ao lado de fraldas? Não se trata de mera coincidência, e sim do resultado da análise de sofisticados programas capazes de estudar milhões de combinações cruzadas entre produtos e hábitos de consumo. Quando foi a última vez que sua esposa pediu-lhe para trazer um pacote de fraldas, quando você disse que ia ao supermercado comprar cerveja para o almoço fim de semana?



O Business Intelligence, ou inteligência do negócio, quando implantado com os corretos sistemas informatizados, são uma mina de ouro para as empresas. Tais sistemas constituem um auxílio inestimável no processo de tomada de decisão das organizações. Lembre-se disto na próxima vez quando preencher o termo de garantia de sua geladeira!

Torna-se fácil entender agora, porquê palavras como competitividade, globalização e qualidade fazem parte do dia-a-dia das empresas. Aquelas que não estão medindo esforços para conquistá-lo e tê-lo como seu cliente mais fiel com certeza se perderão no meio do caminho. Bom para cada um de nós, clientes e consumidores.

E melhor ainda para cada um de nós parte integrante das empresas; temos muito o que fazer.

Benefícios de um Sistema formal de Business Intelligence:

· Antecipar mudanças no mercado
· Antecipar ações dos competidores
· Descobrir novos ou potenciais competidores
· Aprender com os sucessos e as falhas dos outros
· Conhecer melhor suas possíveis aquisições ou parceiros
· Conhecer novas tecnologias, produtos ou processos que tenham impacto no seu negócio
· Entrar em novos negócios
· Rever suas próprias práticas de negócio
· Auxiliar na implementação de novas ferramentas gerenciais

Fazem parte dos pacotes de Business Intelligence existente : o Datawarehouse (DW), Sistemas de gestão integrados (ERP), ferramentas OLAP, Data Mining, Data Mart, CRM, Metadados, dentre outros.

A Oracle atua em BI com o Oracle BI
(Oracle Business Intelligence), que unifica aplicações de gestão de performance corporativa, ferramentas de Business Intelligence e de análise e armazenamento de dados.

Esse assunto é bem extenso e se precisarem de maiores informações, é só enviar e-mail.

[]'s

sexta-feira, 17 de outubro de 2008

Oracle adquire Primavera


PRESS RELEASE
Oracle adquire Primavera
Aquisição cria primeira solução completa de gerência de portfólio de projetos em nível empresarial para setores que utilizam projetos de forma intensiva
Redwood Shores, Califórnia, (EUA) – outubro de 2008
Notícias
A Oracle anunciou um acordo para aquisição da Primavera Software, Inc., grande fornecedor de soluções de gerência de portfólio de projetos (PPM, Project Portfolio Management), a fim de aumentar sua força na oferta de aplicativos operacionais de missão crítica.·
O software de PPM da Primavera ajuda as empresas a propor, priorizar e selecionar investimentos em projetos, e planejar, gerenciar e controlar os mais complexos projetos e portfólios de projetos.·
Aliado a seus aplicativos e software de infra-estrutura, a Oracle espera fornecer a primeira solução de gerência de portfólio de projetos em nível empresarial, ajudando as empresas a alocar os melhores recursos, reduzir custos, cumprir datas de entrega e tomar melhores decisões, usando dados em tempo real. ·
O Oracle Enterprise PPM será voltado aos setores que utilizam projetos de forma intensiva, como engenharia e construção, aeroespacial e defesa, serviços públicos, petróleo e gás, manufatura e serviços profissionais.·
Os funcionários e a diretoria da Primavera deverão ir para a Oracle, onde formarão uma unidade de negócios global (GBU) com foco em PPM Empresarial, ajudando a assegurar uma transição tranqüila para os clientes e parceiros da Primavera. Joel Koppelman, CEO da Primavera, deverá chefiar a unidade de negócios como vice-presidente sênior e diretor-geral.·
A transação está sujeita às condições habituais e deverá estar concluída no segundo semestre de 2008. Até que o negócio se concretize, cada empresa continuará a operar independentemente. Os detalhes financeiros da transação não foram divulgados.

segunda-feira, 6 de outubro de 2008

Oracle adquire a Advanced Visual Technology

PRESS RELEASE

Oracle adquire a Advanced Visual Technology

Aquisição agrega planejamento de macroespaço visual em 3D à suíte de soluções de varejo da empresa

Redwood Shores, Califórnia (EUA) – Outubro de 2008

Notícias
· A Oracle anunciou que fechou acordo para adquirir a Advanced Visual Technology Ltd. (AVT), grande fornecedor de software de planejamento de macroespaço visual em 3D para varejistas.
· A AVT possibilita aos varejistas colaborar com suas lojas e parceiros fornecedores no design e planejamento do espaço físico em tempo real, com uma visão atual e de realismo fotográfico de cada loja.
· Combinados com a completa suíte de aplicativos Oracle Retail, os produtos da AVT aumentarão a lucratividade do espaço de venda de uma loja, com melhor alocação do espaço e monitoração de desempenho das categorias, corredores, departamentos e de toda a loja.
· Os funcionários e a diretoria da AVT deverão ir para a Unidade de Negócios Global de Varejo da Oracle.
· A transação deverá ser finalizada no segundo semestre de 2008. Até que o negócio se concretize, cada empresa continuará a operar independentemente. Os detalhes financeiros da transação não foram divulgados.

quarta-feira, 1 de outubro de 2008

OTN América Latina

Olá pessoal!

Nosso blog tem um link no site da Oracle desde Jun/08, eu mandei e-mail, mas não cheguei a publicar.
OTN América Latina
Ele é o único blog brasileiro sobre o assunto:

http://www.oracle.com/technology/global/lad-pt/blog/index.html

Muitooooo legal!

segunda-feira, 29 de setembro de 2008

O mercado ERP


Olá pessoal!

Ser um consultor funcional ERP hoje é um grande negócio, excelente se você escolher o melhor do mundo, o Oracle :)

Mas falando sério, é um mercado em larga escala de crescimento com novas tecnologias sendo implementadas e mercados a serem
conquistados.

Como trabalho numa empresa grande, convivo com funcionais de vários ERP e podemos ter visões diferenciadas nesse meio.

O bom profissional conhece seu sistema, mas não deixa de enxergar outros ERP também, seus diferenciais, posição no mercado, entre outros. Nesse post, citaremos duas grandes empresas, SAP e Microsiga.

Hoje já se fala na estagnação do mercado de ERP. As empresas estariam partindo para alternativas mais sofisticadas, com o SOA, por exemplo. Porém, as empresas que ainda estão na liderança não concordam. A SAP, por exemplo, acredita que, ao contrário do que se imagina, ainda existe uma parcela do mercado que não foi conquistada por nenhum fornecedor.

Essas empresas, a maioria do setor público, contam com sistemas desenvolvidos internamente. Para a SAP, o atual momento econômico exige que elas partam para uma solução de gestão reconhecida. Muitas empresas fizeram IPOs (oferta pública inicial, do inglês, initial public offering) e agora precisam de mais transparência. Sistemas desenvolvidos internamente não cumpririam esse papel, fato que pode vir a manter aquecido o mercado de ERP.

A grande "sacada" do momento está em se fixar no mercado de pequenas e médias empresas, pois das grandes o mercado está quase saturado pela SAP e Oracle.

Segundo o instituto de pesquisas, Yankee Group, o ranking dos ERP no mercado de médio porte está com as seguintes posições, liderado por softwares nacionais:
  • MICROSIGA e DATASUL (Em julho de 2008 foi anunciada a incorporação da Datasul pela TOTVS, controladora da Microsiga, numa operação com valor aproximado de 700 milhões de reais)

  • ORACLE (Reforçada por PeopleSoft, Siebel e JD Edwards)

  • SAP

Marcas locais x Marcas Mundiais, o dilema

Essa dúvida requer muita análise. Marcas mundiais possibilita manter o controle mundialmente sobre seu ERP, enquanto que MRPs (planejamento das necessidades de materiais, do inglês material requirement planning) locais permite regularização com a legislação local, incluindo tais áreas “difíceis” como Folha de Pagamentos, Recursos Humanos, impostos locais, etc.

Oracle E-Business Suite Special Edition, Microsoft Dynamics, SAP mySAP or SAP B1 (Business One) – estes ERP estão localizados para o mercado brasileiro desde o ponto de taxas & legislação quanto a interface em Português e suporte de idiomas. Tais características como o suporte multi-moeda são comuns para todas as marcas líderes de ERP, entretanto o dilema da localização também inclui tais módulos específicos do país como Folha de Pagamentos & RH, Manufatura (relatório especial a autoridades de inspeção), Taxas municipais & estaduais.

Consolidação ERP

Foram 39 aquisições desde 2006. Na média, mais de 12 por ano. Uma por mês. O ritmo da Oracle impressiona. Mais do que isso, gera inquietações no mercado. De um lado, o arrojo e gigantismo da operação, de outro, o desafio da integração e da continuidade dos produtos adquiridos. A equação econômica dessas aquisições baseia-se no fato da Oracle continuar a desenvolver seus produtos. Além disso, a base instalada está sendo mantida, assim como o suporte aos clientes. Ou seja, continuar a desenvolver é fundamental. Todas as empresas que a Oracle adquiriu têm plataformas abertas.

Do ponto de vista da base instalada, é tudo facilmente integrado por meio das ferramentas de middleware. A Oracle Fusion possui uma plataforma de ferramentas integradas. O middleware é parte importante do Fusion. O middleware integra qualquer aplicativo que esteja embaixo de qualquer tecnologia. O E-Business Suíte está cada vez mais com as ferramentas do Fusion
totalmente integradas, assim como o Siebel e o PeopleSoft. Essa é a receita da Oracle para, ainda em 2009, ultrapassar a sua rival SAP na briga pelo mercado de ERP.

Espero ter ajudado a deixá-los mais integrados com nossa atual situação no mercado.
Até o próximo

post!

quinta-feira, 25 de setembro de 2008

Oracle oferece integração direta entre Aplicações Empresariais para Utilities

Oracle Application Integration Architecture para Utilities
Permite às empresas implementar aplicações de forma mais rápida enquanto aprimora o serviço aos clientes



News

A Oracle disponibiliza no mercado o Oracle Utilities Direct Integration - uma integração pré-construída entre o Oracle Utilities Customer Care, o Oracle Financials e o Oracle PeopleSoft Enterprise Financial Management. Esta integração direta proporcionará maior eficiência, melhoria no atendimento ao cliente e redução dos custos de propriedade de tecnologia (TCO, em inglês).

A integração direta baseia-se no Oracle Application Integration Achitecture for Utilities, a primeira plataforma de integração de processos empresariais da indústria. Com base no Oracle Fusion Middleware, o Oracle Application Integration Achitecture for Utilities oferece integrações de processos pré-construídos para produtos da linha Oracle Utilities, bem como para produtos de outros fabricantes e aplicações legacy permitindo às empresas de serviços implementar aplicações de forma rápida e com a redução de riscos.

O anúncio vem ao encontro da estratégia da Oracle em oferecer soluções completas, integradas e do tipo end-to-end adaptadas a uma arquitetura aberta de database e baseadas em padrões de middleware. Esta iniciativa da Oracle ajuda os clientes a simplificar os ambientes de informática, reduzir custos e riscos, além de proporcionar grandes opções e flexibilidade.

Details

Como as empresas do setor buscam atender às necessidades dos clientes, adaptá-las à instabilidade da indústria e promover a sustentabilidade ambiental, elas devem integrar aplicações de missões críticas - como atendimento ao cliente e cobranças - oferecendo funções financeiras.
A integração direta entre o Oracle Utilities Customer Care and Billing (atendimento ao cliente e cobrança) e as aplicações financeiras Oracle permite garantir um fluxo automatizado direto das transações financeiras durante todo o ciclo de vida, evitando uma dupla distribuição de informação entre elas.

Por exemplo, quando uma companhia faz um reembolso a um cliente, ele inicia o processo no Oracle Utilities Customer Care and Billing. A nova função de integração direta enviará automaticamente a solicitação de pagamento à aplicação Oracle responsável pela gestão financeira. Uma vez concluída, a aplicação financeira envia os detalhes finais da transação à aplicação de atendimento ao cliente, que manterá os registros atualizados. Caso o cliente ligue no futuro com alguma questão, o responsável pelo atendimento terá acesso imediato às informações do pagamento precedente, o que permite mais rapidez na solução de um problema e melhoria no atendimento.

Esta forte integração aumenta a eficiência dos usuários finais de uma aplicação que não precisam "aprender" outra aplicação ou realizar ajustes em sua rotina de trabalho.
A integração direta também permite aos clientes reduzir os custos e riscos de um projeto de implementação, uma vez que não é mais necessário definir os pré-requisitos ou construir os padrões de integração entre o serviço de atendimento ao cliente e as aplicações financeiras.A integração direta entre o Oracle Utilities Customer Care and Billing e o Oracle Financials dão suporte ao Oracle Utilities Customer Care and Billing 2.2, ao Oracle E-Business Suite Release 12 e ao PeopleSoft Enterprise 9.0.

sexta-feira, 12 de setembro de 2008

Integração do Oracle® CRM On Demand ao Siebel CRM



PRESS RELEASE

Oracle apresenta Integração do Oracle® CRM On Demand ao Siebel CRM

Nova integração pré-construída fornece uma visão holística dos dados do cliente em implementações de CRM on-demand e no próprio local


Redwood Shores, Califórnia (EUA) – setembro de 2008

· A Oracle (NASDAQ: ORCL) anunciou recentemente a integração do Oracle® CRM On Demand ao Siebel CRM completa e pré-construída que gera uma visão única do cliente em implementações de CRM on-demand e no local.

· A Oracle fornece uma visão holística da solução para gerentes executivos e de vendas, além da capacidade de se fazer análises com ela ao sincronizar dados do cliente do Oracle CRM On Demand e do Siebel CRM.

· Essa integração ajuda às empresas, que precisam de funcionalidade no local para CRM setorial centrado nos processos, e também CRM on-demand, rápido e fácil de usar, para escritórios remotos e profissionais móveis de vendas e marketing.

· Com a Arquitetura de Integração de Aplicativos Oracle baseada em padrões e o Oracle Fusion Middlewarea integração do Oracle CRM On Demand ao Siebel CRM reduz o risco e possibilita a resolução do problema do silo de dados

· A integração do Oracle CRM On Demand ao Siebel CRM possibilita aos clientes usar menos recursos de TI do que nas integrações personalizadas, já que é pré-construída e desenvolvida para a instalação rápida.

· Os clientes podem contar imediatamente com suporte para várias instâncias do Oracle CRM On Demand, no local ou em ambas integradas.

· Com uma única visão do cliente, a integração do Oracle CRM On Demand ao Siebel CRM fornece flexibilidade às organizações que usam o Siebel CRM para integrar os recursos do on-demand, a fim de adicionar rapidamente usuários de vendas para novas divisões, regiões ou linhas de produtos.

· Conforme os requisitos dos negócios evoluem, as organizações podem sincronizar dados do cliente em tempo real e administrar a integração no nível transacional, além de utilizar as ferramentas de gestão da qualidade dos dados do Siebel CRM.


Citações de apoio
“A estréia da integração do Oracle CRM On Demand ao Siebel CRM é um passo que define o setor, pois permite que as organizações apreciem os benefícios de um sistema de CRM integrado com rapidez e eficácia”, disse Anthony Lye, vice-presidente sênior de CRM da Oracle. “A profunda funcionalidade do CRM no local, a rápida implementação e os recursos fáceis de usar do CRM on-demand são poderosamente combinados para que as organizações extraiam mais valor de seus investimentos em Oracle.”

quarta-feira, 10 de setembro de 2008

O mundo dos upgrades e customizações!

Olá pessoal!

Hoje decidi escrever um pouco sobre procedimentos adotados tanto para upgrades quanto para customizações.

Eu me lembro de que quando comecei a trabalhar com Oracle, achava que meu mundo se reduzia a consertar erros de procedimentos e adotar medidas paleativas!

É claro que é apenas um resumo, mas é muito interessante para quem está começando ter uma visão mais clara.

A seguir um guia básico para minimizar o impacto de um Upgrade do Oracle Applications nas customizações realizadas. Entretanto, será necessário processar tarefas específicas para cada customização durante um Upgrade para assegurar que todas as customizações estão funcionando corretamente com a nova release. As etapas gerais a seguir são:

1. Examinar o manual de instalação;
2. Rever as modificações na base de dados;
3. Identificar customizações obsoletas;
4. Analisar impacto das customizações na nova Release;
5. Desabilitar as triggres de banco de dados;
6. Upgrade do aplicativo;
7. Migrar as Customizações;
8. Reprocessar scripts de permissão e sinônimo;
9. Testar todas as customizações.

1. Examinar o manual de instalação
Muitas destas tarefas listadas acima são detalhadas no Oracle Applications Installation Manual. A primeira tarefa, portanto, é examinar este manual para novas releases e as futuras releases alteradas antes de iniciar a alterações.

2. Rever as Modificações na Base de dados
Se a nova release incluir um manual das mudanças na base de dados ou notas de alterações do produto, rever estes para compreender as mudanças à base de dados. Você deve também baixar as versões novas das aplicações da mídia de instalação e examinar os scripts dos diretórios de upgrade/sql e de instalação de cada aplicação. Isto fornece uma maior compreensão de como as alterações na base de dados foram implementadas.

3. Identificar Customizações obsoletas

Deve-se rever cada customização e determinar se a nova release do Oracle Applications satisfaz as necessidades do negócio para as quais foram feitas cada customização. Se a customização não for mais necessária, deve-se guardar os arquivos e não migrar esta customização para a nova release.

4. Analisar impacto das customizações na nova release
Analise todas as customizações que não são obsoletas para determinar se estas precisam ser alteradas s para trabalhar corretamente com a nova liberação. As técnicas utilizadas dependem do tipo de módulo e se é uma customização ou uma modificação.

Customização
Para todos os módulos que acessarem tabelas da base de dados, compare as mudanças da base de dados na nova release com as tabelas e as colunas acessadas pelo módulo. Desde que armazenado o módulo para tabelar a informação do acesso do Oracle Designer, você pode executar o módulo para tabelar o relatório da matriz para determinar que módulos sejam afetados.
Os menus e as responsabilidades customizadas podem ser afetadas por forms novos ou eliminados do código da aplicação. Manipulação dos campos específicos dos forms pode ser afetada por mudanças internas ao forms.


Modificações
Para os componentes modificados (se algum), compare a versão precedente do módulo standard e a nova release para determinado o que mudou. Avalie se é mais fácil e menos risco ao re-implantar suas mudanças ao novo módulo ou aplique as mudanças na nova release de sua versão customizada.

5. Desabilitar as Triggers de banco para alguma customização
Se alguma customização incluir Triggers na base de dados, deve-se desabilitá-las no ambiente que você está promovendo o upgrade antes de funcionar o AutoInstall.

6. Upgrade da Aplicação
Deve-se, processar o AutoInstall para fazer o upgrade do Oracle Applications. Para as finalidades de migrar as customizações, você deve utilizar um ambiente do teste para primeiro testar o processo da migração neste ambiente.

7. Migrar as Customizações
As customizações, os menus, responsabilidades, e outros componentes da biblioteca de objeto da aplicação serão migrados automaticamente.

8. Re-processar script Grant (permissão) e sinônimos
Re-processar os scripts do grant e sinônimos customizados de modo que todos os objetos feitos customizados na base de dados estejam disponíveis aos módulos customizados e funcionem na base de dados de APPS Standard.

9. Testar todas as Customizações
Como a etapa final do processo do Upgrade, reexamine todas as customizações executando os scripts de teste do documento de teste unitário e de integração.
Abraços e até a próxima!