sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

NÓS, CONSULTORES, VAMOS EMBORA - Parte I

NÓS, CONSULTORES, VAMOS EMBORA

… e nossos clientes ficam com um
sistema configurado, pronto para utilizar; mas por melhor que seja nosso trabalho, ficam também com uma infinidade de: 

Dúvidas

Desafios
Inseguranças
Falta de conhecimento

Normalmente as principais dúvidas surgem no dia-a-dia, quando os usuários precisam tomar decisões e aplicar seus processos em um sistema integrado. E nós não estamos mais .

EBS - VILÃO OU SOLUÇÃO

Implantação
Imagine trocar um sistema ‘caseiro’, feito exatamente para atender as necessidades do negócio, onde existe conhecimento e experiência nas operações.
Surge o vilão. Um sistema integrado e complexo, onde processos terão de ser revistos, criados e muitas vezes adaptados.
O usuário passa a rejeitar o sistema a partir do momento em que não sabe mais como
fazer o dia-a-dia que ele vem fazendo anos.

Migração 
Apesar da adaptação dos usuários normalmente ser mais 
fácil em uma migração do que em um nova implantação, 
ainda assim é comum encontrarmos resistência à algumas
mudanças, customizações que deixam de existir e mudar 
aqueles hábitos incorretos de utilizar o sistema.

CUSTOMIZAÇÃO OU CORE
A documentação das customizações é fundamental para o projeto durante e após a implantação.
É comum os usuários se esquecerem ou de fato não saberem se determinado processo é core ou customizado; neste momento também é importante a DOCUMENTAÇÃO.

Exemplos comuns da importância das documentações:

Pode surgir uma nova necessidade em que a customização deverá ser alterada, até mesmo pela própria Oracle. A documentação facilita o novo consultor a entender o que foi definido;
Um outro consultor pode assumir o projeto enquanto ainda está em andamento. Existindo a documentação se torna mais efetiva a continuidade ao que estava sendo feito;
O usuário conhece o processo e nós, o sistema. A documentação une estes dois conhecimentos, onde um acaba dependendo do outro;
Maior controle no caso de patch aplicado, em que corre riscos de perder customizações;
Documenta a necessidade do negócio, o desenho do processo e solução adotada.

INTERFACES

A implantação foi um sucesso, os usuários entendem a integração entre os módulos e tudo funciona como previsto.


E aquela fatura que veio do OM? Não encontro no AR.

No RI o lançamento foi completo com sucesso. 
Onde está a fatura no AP?
Eu tenho que verificar a Interface? Como faço 
isto?

O que para nós é algo comum, para os usuários é ponto 
de dificuldade. E é importante instruí-los sobre as necessidades para funcionamento 
das interfaces.
Um concurrent de importação da Interface pode estar programado, mas deverá ter um 
responsável para verificar quando ocorre erros. E muitas vezes este papel não existe
A responsabilidade é de TI ou do Key-User? Uma ‘brigacomum;
Terá um usuário ou responsabilidade única para concurrents programados?
Qual o critério de execução? 5, 10, 30 minutos? Quem será responsável por verificar?

Continua no próxima post... até lá!

Postar um comentário