segunda-feira, 28 de julho de 2008

Mais uma empresa utilizando Oracle E-Business Suite


Olá pessoal!

Mais uma notícia fresquinha!!!

Atenção consultores! :-)

Saiba mais: Método.




Método Engenharia investe R$ 4 milhões em modernização tecnológica baseada em plataforma Oracle

Expectativa de pay-back da companhia é de até três anos

São Paulo, 28 de julho de 2008 – Crescimento acelerado, metas agressivas de desempenho, excelência em seus projetos e a intenção de jogar na “liga principal” do mercado de construção civil como a maior empresa de engenharia do País são alguns dos motivadores para a Método Engenharia investir na renovação de seu parque tecnológico. O montante de R$ 4 milhões destinado ao projeto “Cada vez melhor” de modernização de TI é parte da estratégia da construtora em manter-se como um dos principais players do mercado e em franco processo de aumento de receita – a companhia registrou cerca de 60% de crescimento no último ano.

O sistema de gestão empresarial E-Business Suite da Oracle foi escolhido pela construtora Método Engenharia, que também avaliou soluções de outras empresas do mercado. No entanto, a oferta da Oracle foi considerada a mais adequada. Segundo Vanessa Barion, Diretora Administrativa-Financeira da Método, a opção por esta tecnologia se deve ao fato de a Oracle ter apresentado a melhor relação custo x benefício, aliando qualidade técnica e preços atraentes. O conhecimento e a experiência do fornecedor escolhido no setor de construção civil também foram relevantes para a empresa, no momento de definir seu ERP.

Para a Oracle, a conquista da Método em aplicativos é extremamente estratégica, pois o cliente atua de forma expressiva em um mercado em que a Oracle tem crescido muito. “Nossa solução é baseada em padrões de mercado e temos expertise para atender o segmento de construção civil”, diz Silvio Genesini, presidente da Oracle do Brasil. “No mundo, temos mais de 37,5 mil clientes de aplicativos e dos mais variados setores da economia. Além de uma solução robusta, nós conhecemos o negócio do cliente”, completa Genesini. No segundo trimestre do ano fiscal de 2008, iniciado em maio de 2007, as vendas de novas licenças de aplicativos da Oracle aumentaram 63%, segundo resultado do segundo trimestre do ano fiscal 2008 (setembro a novembro de 2007).

Elisabete Waller, vice-presidente de Aplicativos da Oracle do Brasil, afirma que o ERP da Oracle aprimorará o controle e a gestão dos projetos de engenharia da Método, de ponta-a-ponta, contribuindo para que a companhia atinja seus objetivos ousados de crescimento e aumente significativamente suas margens operacionais. “A sábia decisão da Método de investir em um eficaz sistema de ERP está alinhada aos planos da companhia de desenvolver um trabalho estruturado e maduro de governança corporativa, gestão de conhecimento, documentação e administração centralizada”, completa Elisabete.

Controle total e compartilhado

“A implementação do sistema Oracle é um grande desafio para a equipe do projeto e para todos os nossos colaboradores. A Método Engenharia será a primeira empresa do segmento de construção civil a dispor de um sistema que unifica e permite a integração completa dos módulos de Gerenciamento de Projetos, Administrativo-financeiro e Suprimentos”, afirma Vanessa.

“Este projeto com a Oracle influencia diretamente os resultados da companhia, pois estaremos aptos a realizar a gestão completa e, em tempo real, de todas as nossas obras, em todas as suas fases, desde a coleta de informações para orçamento até o momento de faturá-las”, explica Vanessa.

O executivo ainda ressalta que a automatização dos empreendimentos da Método também beneficiará o controle de todo o fluxo financeiro da empresa, tornando-o mais transparente. E acrescenta: “O cliente torna-se parte essencial nesse processo, já que participará ativamente da gestão do projeto e terá seu trabalho simplificado”.

O desafio da mudança cultural

A implementação do ERP da Oracle teve início em outubro de 2007 e tem conclusão prevista para maio de 2008. Neste período, a Método conta com uma equipe de consultores da G&P, especializados em Oracle, para minimizar os impactos das mudanças culturais na companhia, treinar os cerca de 300 usuários diretos do novo sistema de gestão da Método e motivar a equipe a adotar novas metodologias de trabalho com a plataforma Oracle.

O projeto deverá contribuir para indicadores de performance da companhia e até mesmo no aumento de suas margens operacionais. Vanessa Barion espera melhorar a margem bruta da empresa em 0,5% até o ano de 2009. A companhia também espera recuperar 100% do investimento em TI num prazo de até três anos.

Segundo a Método, o novo sistema ERP não será um fim, mas um meio para a organização atingir os seus objetivos de automatizar e integrar seus sistemas. A intenção da companhia é expandir o projeto para outros países da América Latina como Chile, Argentina e Uruguai, nos quais a Oracle já é opção de compra. Para o orçamento de 2009, a Método prevê investimentos em soluções Hyperion/Oracle.

A empresa também utiliza:

- Banco de dados Oracle

- Servidores Dell

- Livros Fiscais Mastersaf

Sobre a Método Engenharia

Fundada em 1973, a Método Engenharia consolidou-se como uma das maiores construtoras do País na área de edificações. Tem mais de 4 milhões de m² de obras já entregues e R$ 4 bilhões em contratos nos últimos dez anos. É responsável pela execução de edifícios-ícone como Centro Empresarial do Aço, Torre Norte do Centro Empresarial Nações Unidas, Shopping Market Place, Wet`n Wild, Hotel Unique, o primeiro Grand Hyatt da América Latina, Torre Faria Lima, edifício Pedroso de Moraes e a sede da Federação do Comércio do Estado de São Paulo.

A Método sempre esteve na vanguarda do setor da construção civil. A busca constante por inovação, parcerias estratégicas, treinamento e tecnologia possibilitou à empresa mudar seu escopo de atuação – extrapolou, há muito, os limites de uma executora de obras. Atua, hoje, como gestora de projetos, conduzindo os processos desde a concepção até serviços posteriores à entrega do empreendimento, como manutenção e facilities management.

quinta-feira, 24 de julho de 2008

Classe ou Tipo de Contribuinte

Olá pessoal!!!

Vou publicar para vocês algumas informações a respeito de configuração de taxas de impostos no Oracle E-Business Suite.
Sempre trabalhei com AR (Accounting Receivable), então quando fui configurar o Billing, senti uma falta imensa de uma documentação com um nível de detalhamento como esse.

Vou começar com Classe ou Tipo de Contribuinte, local onde guardamos as informações dos clientes e que originam os tipos de configurações de impostos que o cliente receberá.

A janela Classes de Condição de Imposto é usada para definir as classes de condição de imposto do contribuinte (cliente) para cada categoria de imposto. Uma classe de condição de imposto do contribuinte define os valores de condição de imposto de cada categoria de imposto para diferentes tipos de cliente.

Cada classe de condição de imposto do contribuinte deve conter todas as categorias de imposto e todas as condições de imposto de fator determinante definidas para a categoria de imposto no nível do contribuinte. Para cada classe de condição de imposto do contribuinte, defina somente um valor da condição de imposto para cada combinação de categoria de imposto/condição de imposto.

Cada classe deve incluir as condições de imposto definidas como Obrigatório em Classe e associadas à categoria de imposto no nível do contribuinte.

Dica: Você deve definir uma classe de condição de imposto do contribuinte para todas as combinações válidas de categoria de imposto/valores da condição de imposto para a qual você tenha um cliente que corresponda à combinação de valores. Para determinar o número de classes de condição de imposto do contribuinte que precisa definir, primeiro relacione uma lista de combinações possíveis de códigos de imposto/condições de imposto de fator determinante/valores da condição de imposto. Verifique a lista cuidadosamente e se tiver um cliente que não corresponda a nenhuma linha da lista, crie uma classe de condição de imposto do contribuinte separada para aquela linha.

Responsabilidade: Desenvolvedor de Aplicações Oracle

Caminho: Pesquisas >> Biblioteca Objeto da Aplicação


A Classe de Contribuinte fica localizada no Cadastro de Endereços do Cliente no Módulo Oracle Receivables.


Responsabilidade: AR SUPER USUARIO

Caminho: Clientes >> Padrão





Boas configurações e até o próximo post!

segunda-feira, 21 de julho de 2008

Oracle entre os líderes em gerenciamento de riscos

Olá pessoal!
Mais uma notícia fresquinha prá vocês!


Gartner posiciona a Oracle entre os líderes em software de gerenciamento de risco operacional para serviços financeiros


Redwood Shores, Califórnia (EUA) – julho de 2008
  • A Oracle e a i-flex solutions apresentaram recentemente a avaliação do recente relatório do Gartner que posiciona a empresa entre as líderes no "Magic Quadrant for Operational Risk Management Software for Financial Services" (Quadrante Mágico de software de gerenciamento de risco operacional para serviços financeiros). Em abril deste ano, a Oracle e a i-flex solutions anunciaram os planos de mudar o nome da empresa para Oracle Financial Services Ltda. http://www.oracle.com/corporate/press/2008_apr/ofs.html
  • O Quadrante Mágico do Gartner posiciona os fabricantes com base na abrangência e na capacidade de conduzir sua visão de negócios.

  • A solução Reveleus Operational Risk da Oracle possibilita profunda visibilidade de toda a empresa para identificar, monitorar e gerenciar com eficiência o risco operacional dentro de uma estrutura abrangente à governança e conformidade (Governance Risk and Compliance – GRC).

  • O Reveleus Operational Risk oferece uma estrutura ampla para avaliação, mapeamento de processos, gerenciamento de workflow, principais indicadores de risco (KRIs) e captura de eventos de perda, incluindo gerenciamento de dados e ferramentas de ETL (extração, transformação e carregamento) para gerenciamento quantitativo do risco operacional e da conformidade.

  • Por meio da integração da solução Oracle Mantas, o Reveleus também é capaz de fornecer recursos de vigilância e detecção de comportamentos para combate à lavagem de dinheiro e à fraude, conhecimento do cliente e conformidade comercial.

  • De acordo com o Gartner, “esse quadrante tende a ser liderado por fabricantes de aplicativos preocupados com aspectos quantitativos e qualitativos do gerenciamento de risco operacional. Esses fabricantes atingiram um alto nível de aceitação do mercado e possibilitam uma visão consistente do risco operacional em toda a organização, em comparação com mecanismos de cálculos de risco projetados e implementados separadamente ou ferramentas de relatório de auditoria, controle e conformidade. Esses fabricantes tratam o risco operacional de forma mais abrangente e vinculam o risco operacional à gestão do desempenho corporativo. Contam também com estruturas organizacionais robustas e recursos de serviços profissionais”.

Citação de apoio

  • “Instituições financeiras de todo o mundo estão usando as soluções de GRC do Reveleus para ajudar a alcançar benefícios quantificáveis. Elas variam, desde o simples aumento da eficiência dos custos até a melhora no preço das ações, promovidos pela redução da percepção de risco dos investidores”, afirma S. Ramakrishnan, CEO da Mantas e Reveleus. “Acreditamos que o posicionamento do Reveleus entre os Líderes ressalta o valor que fornecemos, ao ajudar as organizações a alcançar seus objetivos, enquanto protegem seus ativos e reputações no competitivo setor financeiro.”

quarta-feira, 16 de julho de 2008

Impostos e Mensagens Legais

Olá pessoal!

Analisando algumas coisas, procurando umas documentações antigas, encontrei meu setup de mensagem legal, que elaborei para um key-user replicar.
Ainda não tinha configurado mensagem legal, quando o fiz, e é sempre bom, um procedimentozinho arquivado para futuras gerações, não é?

Momento nostalgia
Mensagens legais são mensagens fiscais sobre NFFs que explicam o motivo pelo qual uma taxa de imposto inferior é aplicada a uma linha de NFF para várias exceções. Por exemplo, se um cliente for isento de um determinado imposto que normalmente é aplicado à transação, a autoridade fiscal brasileira exigirá que seja impressa uma nota para a NFF para explicar o motivo da exceção. Da mesma forma, um item que pertence a uma classificação fiscal pode ser cobrado a uma taxa inferior, e essa transação também requer de uma explicação impressa.

Você aplica códigos de exceção da mensagem legal às linhas de NFF para descrever a exceção. É possível criar quantas mensagens legais quiser para cada regra de imposto. Entretanto, você pode criar somente uma mensagem legal para cada combinação de regra de imposto, categoria de imposto, tipo de contribuinte, tipo de transação, exceção e dados da regra.

É curtinho, e o que vale é se atentar aos detalhes.

Bom divertimento!

Tipo de transação que será configurado, confirmado no AR:

Opção GRUPO DE IMPOSTOS, escolher a opção de acordo com o imposto que o tipo de transação solicita.


Primeiro você localiza o tipo de transação que quer associar.

Não esquecendo de verificar na linha de imposto se o tipo é para ICMS_C ou ICMS_D (débito ou crédito), analisar junto ao setor fiscal, ou consultar a mesma transação de outra filial que já tenha mensagem legal associada.

Associe a mensagem no campo abaixo.


No campo Nome da Exceção, é necessário pesquisar em alguma transação de mesmo tipo se é NON INCIDENCE, ou pesquisar na opção Códigos e Taxas de Imposto, pelo ICMS recolhido da transação, na aba mais, no primeiro flexfield [].


Se não estiver criada, vá até a opção MENSAGENS-PADRÃO e cadastre a mensagem de acordo com as informações do departamento fiscal.


Fui no site dos direitos do contribuinte e peguei os 76 tipos de impostos brasileiros. É sempre bom lembrar:

1. Adicional de Frete para Renovação da Marinha Mercante – AFRMM - Lei 10.893/2004
2. Contribuição á Direção de Portos e Costas (DPC) - Lei 5.461/1968
3. Contribuição ao Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - FNDCT - Lei 10.168/2000
4. Contribuição ao Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), também chamado "Salário Educação"
5. Contribuição ao Funrural
6. Contribuição ao Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA) - Lei 2.613/1955
7. Contribuição ao Seguro Acidente de Trabalho (SAT)
8. Contribuição ao Serviço Brasileiro de Apoio a Pequena Empresa (Sebrae) - Lei 8.029/1990
9. Contribuição ao Serviço Nacional de Aprendizado Comercial (SENAC) - Lei 8.621/1946
10. Contribuição ao Serviço Nacional de Aprendizado dos Transportes (SENAT) - Lei 8.706/1993
11. Contribuição ao Serviço Nacional de Aprendizado Industrial (SENAI) - Lei 4.048/1942
12. Contribuição ao Serviço Nacional de Aprendizado Rural (SENAR) - Lei 8.315/1991
13. Contribuição ao Serviço Social da Indústria (SESI) - Lei 9.403/1946
14. Contribuição ao Serviço Social do Comércio (SESC) - Lei 9.853/1946
15. Contribuição ao Serviço Social do Cooperativismo (SESCOOP) - art. 9, I, da MP 1.715-2/1998
16. Contribuição ao Serviço Social dos Transportes (SEST) - Lei 8.706/1993
17. Contribuição Confederativa Laboral (dos empregados)
18. Contribuição Confederativa Patronal (das empresas)
19. Contribuição de Intervenção do Domínio Econômico – CIDE Combustíveis - Lei 10.336/2001
20. Contribuição para Custeio do Serviço de Iluminação Pública - Emenda Constitucional 39/2002
21. Contribuição para o Desenvolvimento da Indústria Cinematográfica Nacional – CONDECINE - art. 32 da Medida Provisória 22. 2228-1/2001 e Lei 10.454/2002
22. Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) - Lei 9.311/1996
23. Contribuição Sindical Laboral (não se confunde com a Contribuição Confederativa Laboral, vide comentários sobre a Contribuição Sindical Patronal)
24. Contribuição Sindical Patronal (não se confunde com a Contribuição Confederativa Patronal, já que a Contribuição Sindical Patronal é obrigatória, pelo artigo 578 da CLT, e a Confederativa foi instituída pelo art. 8º, inciso IV, da Constituição Federal e é obrigatória em função da assembléia do Sindicato que a instituir para seus associados, independentemente da contribuição prevista na CLT)
25. Contribuição Social Adicional para Reposição das Perdas Inflacionárias do FGTS - Lei Complementar 110/2001
26. Contribuição Social para o Financiamento da Seguridade Social (COFINS)
27. Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL)
28. Contribuições aos Órgãos de Fiscalização Profissional (OAB, CRC, CREA, CRECI, CORE, etc.)
29. Contribuições de Melhoria: asfalto, calçamento, esgoto, rede de água, rede de esgoto, etc.
30. Fundo Aeroviário (FAER) - Decreto Lei 1.305/1974
31. Fundo de Fiscalização das Telecomunicações (FISTEL) - Lei 5.070/1966 com novas disposições da Lei 9.472/1997
32. Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS)
33. Fundo de Universalização dos Serviços de Telecomunicações (FUST) - art. 6 da Lei 9998/2000
34. Fundo Especial de Desenvolvimento e Aperfeiçoamento das Atividades de Fiscalização (Fundaf) - art.6 do Decreto-lei 1.437/1975 e art. 10 da IN SRF 180/2002.
35. Imposto s/Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS)
36. Imposto sobre a Exportação (IE)
37. Imposto sobre a Importação (II)
38. Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA)
39. Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana (IPTU)
40. Imposto sobre a Propriedade Territorial Rural (ITR)
41. Imposto sobre a Renda e Proventos de Qualquer Natureza (IR - pessoa física e jurídica)
42. Imposto sobre Operações de Crédito (IOF)
43. Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISS)
44. Imposto sobre Transmissão Bens Intervivos (ITBI)
45. Imposto sobre Transmissão Causa Mortis e Doação (ITCMD)
46. INSS Autônomos e Empresários
47. INSS Empregados
48. INSS Patronal
49. IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados)
50. Programa de Integração Social (PIS) e Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público (PASEP)
51. Taxa de Autorização do Trabalho Estrangeiro
52. Taxa de Avaliação in loco das Instituições de Educação e Cursos de Graduação - Lei 10.870/2004
53. Taxa de Classificação, Inspeção e Fiscalização de produtos animais e vegetais ou de consumo nas atividades agropecuárias - Decreto Lei 1.899/1981
54. Taxa de Coleta de Lixo
55. Taxa de Combate a Incêndios
56. Taxa de Conservação e Limpeza Pública
57. Taxa de Controle e Fiscalização Ambiental – TCFA - Lei 10.165/2000
58. Taxa de Controle e Fiscalização de Produtos Químicos - Lei 10.357/2001, art. 16
59. Taxa de Emissão de Documentos (níveis municipais, estaduais e federais)
60. Taxa de Fiscalização CVM (Comissão de Valores Mobiliários) - Lei 7.940/1989
61. Taxa de Fiscalização de Vigilância Sanitária Lei 9.782/1999, art. 23
62. Taxa de Fiscalização dos Produtos Controlados pelo Exército Brasileiro - TFPC - Lei 10.834/2003
63. Taxa de Fiscalização e Controle da Previdência Complementar - TAFIC - art. 12 da MP 233/2004
64. Taxa de Licenciamento Anual de Veículo
65. Taxa de Licenciamento para Funcionamento e Alvará Municipal
66. Taxa de Pesquisa Mineral DNPM - Portaria Ministerial 503/1999
67. Taxa de Serviços Administrativos – TSA – Zona Franca de Manaus - Lei 9960/2000
68. Taxa de Serviços Metrológicos - art. 11 da Lei 9933/1999
69. Taxas ao Conselho Nacional de Petróleo (CNP)
70. Taxa de Outorga e Fiscalização - Energia Elétrica - art. 11, inciso I, e artigos 12 e 13, da Lei 9.427/1996
71. Taxa de Outorga - Rádios Comunitárias - art. 24 da Lei nº 9.612/98 e nos art. 7 e 42 do Decreto 2.615/1998
72. Taxa de Outorga - Serviços de Transportes Terrestres e Aquaviários - art. 77, incisos II e III, a art. 97, IV, da Lei 10.233/2001
73. Taxas de Saúde Suplementar - ANS - Lei 9.961/2000, art. 18
74. Taxa de Utilização do MERCANTE - Decreto 5.324/2004
75. Taxas do Registro do Comércio (Juntas Comerciais)
76. Taxa Processual Conselho Administrativo de Defesa Econômica - CADE - Lei 9.718/1998

Nota: Laudêmio, Pedágio, Aforamento e Tarifas Públicas não são considerados tributos.

Boas configurações e até a próxima.

terça-feira, 15 de julho de 2008

Oracle® 11g alcança novo recorde mundial

Olá pessoal,

Notícia quentinha para vocês, nada como estar inteirado sobre o banco, seja qual plataforma usamos, correto?


Banco de Dados Oracle® 11g alcança novo recorde mundial


Benchmark TPC-C analisa o banco de dados Oracle 11g com Windows executado em servidor Dell PowerEdge 2900


REDWOOD SHORES (EUA), julho de 2008 A Oracle anunciou o novo recorde mundial no benchmark TPC-C para o banco de dados Oracle® 11g Standard Edition One executado no Windows(1). Com esse resultado, a Oracle passa a deter as três primeiras posições na categoria das dez na relação preço x performance do benchmark TPC-C. Essa análise é mais uma demonstração do compromisso da Oracle em fornecer escalabilidade e desempenho com baixo custo para clientes de qualquer porte.


O banco de dados Oracle 11g Standard Edition One executado em um servidor Dell PowerEdge 2900, equipado com um processador Intel Quad-Core Xeon de 2,66 GHz e sistema operacional Windows alcança 97.083 transações por minuto com relação preço x performance de US$ 0,68/tpmC. Isso representa o melhor custo por transação por minuto já alcançado com o benchmark TPC-C. Dessa forma, a Oracle permanece líder na categoria com os melhores resultados em Windows e Linux.


"O resultado do benchmark demonstra mais uma vez que a Oracle pode oferecer desempenho inigualável por um preço acessível, independentemente do sistema operacional escolhido pelo cliente”, afirma Sushil Kumar, diretor sênior da Gerência de Produto de Disponibilidade, Capacidade de Gerenciamento e Desempenho do Banco de Dados da Oracle. "O banco de dados Oracle 11g Standard Edition One que roda no servidor Dell PowerEdge 2900 fornece aos clientes benefícios inegáveis, com uma solução escalável e de alta performance para ambientes baseados em Windows."


O Oracle 11g Standard Edition One é um banco de dados acessível e de recursos completos para servidores com até dois soquetes. Oferece desempenho e segurança corporativa, é simples de gerenciar, compatível com versões superiores e pode ser dimensionado facilmente, conforme a demanda do cliente. Para obter mais informações sobre o banco de dados Oracle 11g Standard Edition One, visite o site http://www.oracle.com/database/std_one.html.


Sobre o TPC-C e GRID


O TPC-C é um benchmark de OLTP (processamento de transações on-line) desenvolvido pelo Transaction Processing Performance Council (TPC). O benchmark TPC-C define um padrão rigoroso para calcular o desempenho e a relação custo x performance medidas em transações por minuto (tpmC) e US$/tpmC, respectivamente. Mais informações estão disponíveis no site http://www.tpc.org. As 10 mais do TPC-C por preço x performance: http://www.tpc.org/tpcc/results/tpcc_price_perf_results.asp.


O Oracle é o único banco de dados projetado para grid computing. Com mais de 400 novos recursos, 36 mil pessoas ao mês de desenvolvimento e 15 milhões de horas de testes, o banco de dados Oracle 11g torna a gestão das informações empresariais mais fácil, permitindo que os clientes dediquem mais tempo aos seus negócios e inovem com agilidade. O Oracle 11g oferece desempenho superior, escalabilidade, disponibilidade, segurança e facilidade de gerenciamento em um grid de servidores e armazenamento padrão de mercado.


terça-feira, 8 de julho de 2008

Oracle Fusion Middleware 11g

Olá pessoal!

Já ouviram falar do Oracle Fusion? Eu fiquei interessada no tema e fui fazer umas buscas para entender melhor, lá vai:

O Oracle Fusion Middleware é a família de produtos que permite aos clientes adotar e administrar arquiteturas orientadas para serviços (SOA, de acordo com a sigla em inglês). Ela permite a rápida criação de novos serviços que, por sua vez, podem ser usados em um mix de aplicações novas e antigas. O mercado SOA terá um grande crescimento nos próximos anos e, será a base para 80% dos projetos de desenvolvimento em 2008.

Ele possui recursos planejados, que se destinam a fornecer aos desenvolvedores Java uma experiência unificada de projeto e desenvolvimento com base em novos padrões abertos para Java, SOA, AJAX, Web 2.0 e segurança. Além disso, a nova solução colabora para reduzir o tempo, o esforço e o custo do desenvolvimento de aplicativos empresariais, móveis e da Web. Demonstra também os aprimoramentos planejados para o desempenho e capacidade de gerenciamento, além da integração mais completa entre os vários componentes do Oracle Fusion Middleware.

A evolução e os novos recursos abrangem a família de produtos Oracle Fusion Middleware e incluem:

Oracle SOA Suíte: novos recursos para processamento de eventos complexos e monitoração de atividades de negócios (BAM);

Oracle WebCenter Suíte: recursos aprimorados do Enterprise 2.0 e de computação social;

Oracle JDeveloper e Oracle Application Development Framework (ADF): utiliza o AJAX com suporte para Java Script 1.6, 1.7 e 1.8, JavaServer Faces 1.2 e outras tecnologias da Web 2.0, com o objetivo de contribuir para oferecer produtividade excepcional para os desenvolvedores.

"Com o SOA, Web 2.0 e os aplicativos empresariais evoluindo e tornando-se mais sofisticados, a Oracle está comprometida em ajudar a afastar os desenvolvedores e clientes da complexidade e dos obstáculos que acompanham a ampla combinação de tecnologias subjacentes em potencial", afirmou Thomas Kurian, vice-presidente sênior de Tecnologias de Servidor da Oracle. "Por meio de seu alicerce hot-pluggable e baseado em padrões, a última prévia do Oracle Fusion Middleware 11g reforça ainda mais esse compromisso."

Fonte:
Oracle

segunda-feira, 7 de julho de 2008

Oracle anuncia o Retail Release 13

Oracle anunciou o Retail Release 13, a suíte de aplicativos mais completa e integrada do mundo, que garante a visibilidade que o varejista necessita para tomar as melhores decisões. O lançamento é uma resposta da Oracle à rápida transformação que ocorre nesse setor.

O Oracle Retail Release 13 permite aos varejistas dos principais setores verticais - incluindo moda, produtos alimentícios e maquinário - construirem relacionamentos mais lucrativos com seus clientes. Permite a transformação das experiências de compra dos clientes, ao fornecer inteligência agregada para que possam tomar as melhores decisões, desde a cadeia de suprimentos até as lojas. Por exemplo, o recurso de gestão da cadeia de suprimentos da solução abrange desde o fornecedor até o consumidor.

Dessa forma, auxilia os comerciantes a utilizarem seu capital com mais eficiência no fornecimento dos produtos certos nas lojas certas, que vão garantir a satisfação dos consumidores e, ao mesmo tempo, evitar compras de estoque desnecessárias. O Oracle Retail Release 13 fornece uma plataforma baseada em padrões de mercado, possibilitando aos varejistas aproveitar os investimentos já feitos em TI e acelerar o desempenho dos negócios com agilidade, flexibilidade e economia. Isso ajuda a criar valor no curto prazo, além de buscar crescimento e renovação no longo prazo.

A solução auxilia na apresentação de retornos mensuráveis para a empresa de varejo, incluindo lojas, operações de gestão de mercadorias, planejamento, otimização e gestão da cadeia de suprimentos.


Fontes: Oracle e B2B


sexta-feira, 4 de julho de 2008

BI (Business Intelligence) -> Fique por dentro


Olá pessoal,

A inteligência de um negócio acontece quando as decisões, nos vários níveis da organização, são baseadas em fatos e conhecimentos gerados por informações assertivas, intuitivas, acuradas e atualizadas, certo?

Hoje vamos falar um pouco de BI (Business Intelligence). Isso mesmo, inteligência de negócios.

CICLO

Dado -> Informação -> Conhecimento -> Ação


Notícias quentinhas da Oracle:

A Oracle anuncia a disponibilidade do Oracle® Financial Services Asset Liability Management Analytics, um inovador aplicativo de Business Intelligence pré-construído, que permite às instituições financeiras gerir o risco das taxas de juros e maximizar o valor para os acionistas.

Prática 1 Alinhamento

O BI deve apoiar os objetivos da organização, disponibilizando a inteligência necessária para a sua execução.

Prática 2 Organização

O BI é um processo contínuo, que não deve ser tratado por iniciativas temporárias e fragmentadas.

Dinâmica

Objetivos do negócio mudam...
Aprende-se com o BI...
Aprofunda-se o conhecimento...
Novas demandas devem ser atendidas


Prática 3 Tecnologias

Não existe ferramenta única que resolva diferentes necessidades de diferentes usuários.

O balanço patrimonial de uma típica empresa do setor, é resultado de milhões de transações individuais com atributos exclusivos. A análise dessas transações e de sua relação com o risco para toda a empresa é uma tarefa extremamente.


Essa nova aplicação contribui para que empresas financeiras ganhem vantagem competitiva, pois terão mais visibilidade do negócio com uma visão integrada dos riscos e retornos do balanço patrimonial. É completo, baseado em padrões que fornece um aplicativo inovador e possibilita gerar análises de risco das taxas de juros.

Reduz o custo total e a complexidade da TI ao eliminar a necessidade de interfaces personalizadas. Desenvolvido para rápida implementação e fácil configuração, inclui um modelo de dados pré-construído, com mais de 3.000 métricas para produzir análises e relatórios.

Relatórios padrão que são usados para avaliar o risco das taxas de juros, como o valor de mercado do patrimônio líquido, a duração, e of equity, duration of equity, GAPs de novas precificações, resultados da simulação de renda, valor em risco e ganhos em risco.

Fique esperto:

“A natureza altamente volátil dos atuais mercados financeiros força o setor financeiro a dar uma ênfase renovada no uso mais eficiente do capital equilibrado com risco aceitável. A solução ajuda instituições financeiras a ganhar vantagem competitiva, possibilitando maior visibilidade do negócio, com uma visão integrada dos riscos e retornos do balanço patrimonial”, disse Chris Spofford, diretor de Estratégia de Produtos para Serviços Financeiros da Oracle.