sexta-feira, 15 de fevereiro de 2008

AIM (Application Implementation Method)

AIM (Aplicações e execução de Metologia)

Hoje, uma amiga minha me perguntou sobre uns documentos de especificações, o MD... Quem é consultor "ama", pois nele está tudo sobre uma customização, ou implementação de um projeto.
É trabalhoso de fazer, porém é uma das melhores metodologias para se desenvolver um software, gosto também do RUP, mas vou deixar prá outro post.
Tenho muita documentação, mas decidi procurar algo mais específico e detalhado, ou seja, toda a metologia de aplicação e execução no desenvolvimento de um software, com vocês, o AIM.

É uma metologia de gestão de projeto utilizada pela Oracle.
Engloba modelos de documentação que suportam o ciclo de vida de uma aplicação. Utilizado na íntegra, permite a gestão de projetos com êxito.

Pode ser utilizado para qualquer tipo de implementação de software, no entanto, a importância do AIM, é seguir os modelos de documentação, que inclui manuais e um software para geração dos modelos.

Descrição da metodologia do ciclo de vida AIM:

São onze processos de execução.

1. [BP] Arquitetura e Processo do Negócio
Esta fase descreve:
Atuais práticas empresariais
Catálogo de mudanças de práticas
Conhecimento das práticas
Práticas futuras
2. [RD] Definição e Exigência de Negócios
Esta fase explica sobre a base inicial, questionário e recolhimento de requisitos.

3. [BR] Mapeamento e Exigências do Negócio
Nesta fase os requisitos de negócio são correspondidos com as funcionalidades do aplicativo.

4. [TA] Aplicação Técnica de Arquitetura
Fase de infra-estrutura, apresenta as exigências para implementar o aplicativo.

5. [MD] Construção e Módulo Design
Esta fase enfatiza o desenvolvimento de novas funcionalidades (personalização) exigidos pelo cliente. E principalmente os detalhes dos formulários necessários para desenho do banco de dados e relatórios.

6. [CV] Conversão de Dados
Dados de Conversão é o processo de converter ou transferir os dados a partir de aplicações legadas ao aplicativo.
Ex. Transferindo cliente registros da herança ao Cliente Master.

7. [DO] Documentação
Documentação preparada por módulo, que inclui guias do utilizador e implementação manuais.

8. [TE] Teste do sistema e validação do negócio
Um processo de validação da configuração da funcionalidade e pela GQ (consultor funcional) para certificar o status.

9. [PT] Teste de desempenho
Desempenho do ensaio é a avaliação das operações economizando tempo, operação recuperação vezes, o fluxo de trabalho de fundo processo, dados de desempenho, etc…

10. [AP] Aprovação e Aprendizagem
Esta fase explica o sistema legado e aplicação na empresa.

11. [PM] Produção e Migração
O processo de "desmantelamento" do sistema legado e os usos (aprovação).

Abaixo, detalhamentos dos processos:

Arquitetura do processo de negócios (BP)
BP.010 Definir estratégia empresarial e processo
BP.020 Catálogar e analisar eventuais alterações
BP.030 Determinar e reunir as exigências dos dados
BP.040 Desenvolver modelo do processo atual
BP.050 Revisão prática
BP.060 Desenvolver processo, com visão de alto nível
BP.070 Desenvolver processo, com design de alto nível
BP.080 Desenvolver futuro modelo de processo
BP.090 Documento de procedimento de negócios

Definição e Exigência de Negócios (RD)
RD.010 Identificar atual estrutura financeira e operacional
RD.020 Conduta atual do negócio na linha de base
RD.030 Estabelecer processo sumário e cartografia
RD.040 Reunir negócios, volumes e métricas
RD.050 Reunir necessidades empresariais
RD.060 Determinar auditoria e controle de requisitos
RD.070 Identificar negócios e disponibilidade de requisitos
RD.080 Identificar relatórios e informações de acesso e requisitos

Negócios requisitos mapeamento (BD)
BR.010 Analisar lacunas de alto nível
BR.020 Preparar mapeamento de ambiente
BR.030 Mapear necessidades empresariais
BR.040 Mapear as informações de negócio
BR.050 Conduta de integração de análise
BR.060 Cria informações modelo
BR.070 Criar relatório de análise fisiológica
BR.080 Teste e solução de negócios
BR.090 Confirmação integrada de soluções de negócio
BR.100 Definir aplicações de Setup
BR.110 Definir perfis de segurança

Aplicação Técnica e Arquitetura (TA)
TA.010 Definir requisitos de arquitetura e estratégia
TA.020 Identificar atual arquitetura técnica
TA.030 Desenvolver arquitetura conceitual preliminar
TA.040 Definir arquitetura candidata
TA.050 Definir disponibilidade de estratégia do sistema
TA.060 Definir relatórios e informações de acesso à estratégia
TA.070 Revisão conceitual de arquitetura
TA.080 Definir arquitetura candidata de segurança
TA.090 Definir candidatura e arquitetura do servidor de banco de dados
TA.100 Definir e propor arquitetura de subsistemas
TA.110 Definir plano de capacidade do sistema
TA.120 Definir plataforma e arquitetura de rede
TA.130 Definir candidatura do plano de implantação
TA.140 Avaliar o desempenho de riscos
TA.150 Define procedimentos de gestão do sistema

Construção e Módulo Design (MD)
MD.010 Definir extensão estratégica candidata
MD.020 Definir estimativa de aplicação e extensões
MD.030 Definir normas de design
MD.040 Definir normas a construir
MD.050 Criar extensões do design funcional do aplicativo
MD.060 Design das extensões da base de dados
MD.070 Criar desenho técnico das extensões do aplicativo
MD.080 Revisão funcional e técnica de design
MD.090 Preparar desenvolvimento de ambiente
MD.100 Criar extensões da base de dados
MD.110 Criar a extensão dos módulos do aplicativo
MD.120 Criar as instalações de rotinas

Conversão de Dados (CV)
CV.010 Definir conversão de dados, requisitos e estratégia
CV.020 Definir normas de conversão
CV.030 Preparar conversão ambiente
CV.040 Executar conversão de dados de mapeamento
CV.050 Definir manual de conversão de procedimentos
CV.060 Design de conversão de programas
CV.070 Preparar conversão de planos de teste
CV.080 Desenvolver programas de conversão
CV.090 Preparar conversão de unidade de testes
CV.100 Conversão de objetos de negócios
CV.110 Performance de conversão e validação de testes
CV.120 Instalar programas de conversão
CV.130 Conversão e verificação de dados

Documentação (DO)
DO.010 Definir requisitos e documentação de estratégia
DO.020 Definir normas e procedimentos
DO.030 Preparar glossário
DO.040 Preparar documentação ambiente
DO.050 Produz documentação de protótipos e modelos
DO.060 Publicar referência do manual de usuário
DO.070 Publicar manual do utilizador
DO.080 Publicar referência técnica de manual
DO.090 Publicar sistema de guia de gestão

Teste do sistema e validação do negócio (TE)
TE.010 Definir testes de ensaio e estratégia
TE.020 Desenvolver teste de script
TE.030 Desenvolver link teste para script
TE.040 Desenvolver script de teste do sistema
TE.050 Desenvolver sistemas de integração e testes de script
TE.060 Preparar testes de ambientes
TE.070 Avaliação unitária se desempenho de teste
TE.080 Avaliar desempenho de teste
TE.090 Avaliar desempenho nos testes de instalação
TE.100 Preparar usuário chave para teste
TE.110 Testes de desempenho do sistema
TE.120 Desenpenho de integração do sistema
TE.130 Performance de testes de aprovação

Teste de Desempenho (PT)
PT.010 - Definir o desempenho de ensaio estratégico
PT.020 - Identificar o desempenho de teste de cenários
PT.030 - Identificar o desempenho de teste de transação
PT.040 - Criar teste de desempenho de scripts
PT.050 - Desenha o desempenho de testes de transação e programas
PT.060 - Desenha o desempenho de teste de dados
PT.070 - Desenha o desempenho de teste de cargas e programas da base de dados
PT.080 - Criar teste de desempenho de transações e programas
PT.090 - Criar teste de cargas e programas da base de dados
PT.100 - Construir teste de desempenho da base de dados
PT.110 - Preparar teste de desempenho de Ambiente
PT.120 - Executar teste de desempenho

Aprovação e Aprendizagem (AP)
AP.010 - Projeto e execução das definições e estratégias
AP.020 - Condução inicial de equipe de orientação de projeto
AP.030 - Desenvolver plano de aprendizagem
AP.040 - Preparar ambiente para plano de aprendizagem
AP.050 - Condução de eventos para aprendizagem do projeto
AP.060 - Desenvolver Plano de gerenciamento de negócios
AP.070 - Desenvolver roteiro do projeto
AP.080 - Desenvolver e executar campanhas de comunicação
AP.090 - Desenvolver plano de gestores de prontidão
AP.100 - Identificar processo de impacto no negócio da organização
AP.110 - Alinhar desempenho de suporte
AP.120 - Alinhar tecnologia da informação de grupos
AP.130 - Condução das necessidades e análises do usuário
AP.140 - Desenvolver plano de aprendizagem do usuário
AP.150 - Desenvolver aprendizado e-learning de usuário
AP.160 - Preparar ambiente de aprendizagem de usuário
AP.170 - Condução de eventos para aprendizagem de usuários
AP.180 - Condução de avaliação de eficácia

Produção e Migrações (PM)
PM.010 - Definir estratégia de transição
PM.020 - Desenho e apoio de infra-estrutura
PM.030 - Desenvolver transição e plano de contingência
PM.040 - Preparar ambiente de produção
PM.050 - Setup de aplicações
PM.060 - Implementar infra-estruturas de produção
PM.070 - Verificar produção
PM.080 - Entrar em produção
PM.090 - Medir o desempenho do sistema
PM.100 - Manter sistema
PM.110 - Refinar o sistema em produção
PM.120 - Desmantelamento de antigos sistemas
PM.130 - Propor direção de futuros negócios
PM.140 - Propor futura direção técnica

Quem quiser o software prá testar, é só me mandar um e-mail....
Até mais...


sexta-feira, 8 de fevereiro de 2008

Consultoria de Finanças

Recentemente encontrei um site bem interessante, o Oracle Applications Financial Consulting e com downloads bem legais:

Tem uma super base de dados, alguns exemplos:

Oracle Financials aplicação e guias do utilizador.

Uma coleção de Finanças relacionadas a implementações e materiais utilizados para fins de formação. Com sub-categorias:
  • FSG Reporting FSG manual do usuário
  • FSG Formação
  • FSG Relatório escrito diretrizes e estratégia
  • FSG Geral planilha Links para
  • FSG Scripts SQL
  • FSG hits e balanços Contabilização de Moeda -
  • GL - informações em torno do tratamento de moeda estrangeira e à manipulação de reavaliações e traduções.
  • País Específico Localization Guias - Uma coleção de documentos específicos de cada país configuração, solução propostas e guias do utilizador.
  • Ferramentas do Oracle Financials Projeto e Planos, Âmbito de Informação, Funcional, Configuração Documentos, Dataload Classic.
  • Dld arquivos & Dataload Profissional de arquivos.
A maior coleção de livre Oracle Financials scripts na Internet, os scripts podem ser baixados e usados gratuitamente.

Todos os scripts foram escritos para uso em Oracle R11i (11.5.5 para 11.5.10), embora não testado eles podem trabalhar em outras versões e deve ser executado usando uma ferramenta como TOAD ou similar.

Scripts disponíveis nas seguintes áreas:
  • System Administrator SQL scripts Concurrents
  • GL: ADI abertura saldos
  • GL: Autopost - definições
  • GL: CoA contas
  • GL: CoA segmento qualificadores
  • GL: CoA estrutura
  • GL: CoA valores
  • GL: Código combinações
  • GL: Consolidação mapeamento
  • GL: Cross Validation regras (CVR), linha detalhe, sumário Geral & comum, configuração de erros
  • GL: Contas distintas
  • GL: Digitando Moeda por Mês
  • GL: FSG Reports. Coluna conjuntos, conjuntos de linhas, conjuntos de conteúdo
  • GL: GL Interface, livros & GL Interface Detalhes
  • GL: Revista Linhas, incluindo referência e campos
  • GL: Jornal categoria & fonte, combinações usadas
  • GL: Jornal Cabeçalhos & lotes
  • GL: Journal linha baseada no balancete
  • GL: massa, atribuição, fórmula
  • GL: período e status
  • GL: Segurança regra atribuições & Security, regras e definições
  • GL: Conjunto de Livros, configuração
  • GL: Resumo de conta e modelo
  • GL: balancete do GL e saldos
DataLoad. DLD SQL Scripts

Scripts de Dataload de saída de dados em um arquivo.
Dld - formato para extrair configuração de um ambiente para carregá-lo usando dataload clássico. Isso elimina a necessidade de revisar e atualizar manualmente.
  • Dataload. Dld GL Cross Validation regras Dataload Professional.
  • GL: massa, atribuição, migração, script de Dataload em formato profissional
  • GL: massa, atribuição, regra, migração, script de Dataload em formato clássico

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2008

Oracle e SOA... amigos para sempre...



Hoje fui num Workshop da empresa em que trabalho a TIVIT, e como falamos muito sobre SOA(arquitetura orientada a serviços), resolvi colocar trechos de uma entrevista que o presidente da Oracle, Sílvio Genesini, fala justamente sobre o assunto para a revista ComputerWorld.

Segundo ele, ao contrário do que se imagina, o mercado de ERP está longe da saturação, o futuro está em arquiteturas arrojadas, flexibilidade e preço. Fala também das migrações, das novas aquisições e de seu maior concorrente, a SAP.

"No cenário brasileiro, as gigantes SAP e Oracle competem com outros dois fortes concorrentes: Totvs e Datasul. Estas, com a flexibilidade, o preço e o conhecimento do mercado de pequenas e médias empresas. SAP e Oracle, por outro lado, tem poder de investimento para se adequar a este novo mercado.

A Oracle vai ter uma componente maior de serviços. Mas sempre será prioritariamente uma empresa de produtos. A qualidade de seus produtos, ERP, banco de dados, infra-estrutura e SOA é o que faz a diferença. A Oracle passou a fazer na área de serviços o que a Oracle – e o mercado – chamam de On Demand.

A capacidade de duas questões: a Oracle processar e cuidar dos seus sistemas, sejam eles ERP ou a parte técnica. Isto porque na hora em que começarmos a falar de SOA, a complexidade passa a aumentar muito. Isto é um reconhecimento de que o dono do produto conhece sua complexidade e será mais efetivo em cuidar do sistema e tornar a vida do cliente mais simples.

Recentemente fizemos anúncio de todas as atualizações de nossas cinco linhas de produtos, JD Edwards, Peoplesoft e Siebel. Lançamos versões novas e terão versões subseqüentes. Neste momento, a decisão da Oracle é esta. Estes produtos estão sendo envolvidos por soluções SOA também.

A nossa postura em relação aos produtos que adquirimos é cuidar bem dos clientes e fazer com que se sintam bem. E que não tenham de tomar nenhuma decisão forçada. Na medida do possível. As duas preocupações principais eram o suporte e a evolução dos produtos, e acho que isto está razoavelmente bem resolvido.

A tecnologia futura da Oracle, que é a Fusion, será uma combinação destas tecnologias. Mas os clientes poderão migrar sem pressa, mesmo depois de lançado o Fusion.
A primeira versão do Fusion está prevista para 2008.

O mesmo quadro vale para outros países. Em geral, as duas linhas de produtos são muito boas e queridas pelos clientes. A coisa importante de dizer é que, do ponto de vista de tecnologia Oracle, é uma absoluta continuidade. A versão atual já tem pedaços grandes de SOA, portanto o processo de migração para Fusion será um processo bastante simples. E quem estiver em outras linhas, também poderá ir para solução SOA, numa passagem bastante simples e aos poucos.

Aliás, acredito que hoje um dos grandes desafios de sistemas ERP são como tratar a questão da migração. E acho que hoje nós temos uma solução melhor do que a concorrência, em que vamos chegar mais cedo na solução SOA e sem discontinuidade. O grande problema da SAP hoje é que 90% da sua base instalada está em versões antigas, com tecnologia proprietária,com muita coisa em ABAP. Para sair disto e ir para uma versão que seja Java, aberta, SOA, custa muito dinheiro. Isto significa que todos os clientes que estão nesta base vão migrar radicalmente? Provavelmente não.

O casamento com o dono do produto ERP é um casamento muito mais forte e difícil de ser desfeito.
O cliente SAP tem de pagar. Isto também significa que quem estiver nisto, vai ter de pagar um custo alto de implementação para poder sair. Então, a mudança da SAP de data para lançar a versão SOA dela é porque ela precisa, primeiramente, levar a base dela para uma situação intermediária para depois que ele faça um outro investimento para adoção de SOA.

Então acho que a Oracle tem dificuldades também, porque comprou vários produtos, mas vai fazer com que a solução seja mais simples, mais rápida e mais barata. Nosso objetivo é fazer com que as mudanças de versão sejam cada vez mais simples e mais rápidas e sejam automáticas. No fundo, quando você compra um ERP, você vira um sócio e cada vez que quiser mudar algo você tem de comparecer ao caixa de quem te vendeu e ainda fazer um projeto grande de implementação."


Até o próximo post!!!